12.4.06

A alteração da legislação
sobre o tabaco
está em Discussão Pública


As novas medidas antitabágicas propostas pelo Governo vão fazer baixar os índices do consumo do tabaco? Vão constituir um elementos positivo de Saúde Pública e de crescimento da nossa esperança de vida? Vão fazer florescer o mercado negro de cigarros e afins? Onde é que cabe a liberdade individual? Vai ser como na Irlanda? Ou vamos ficar pelo modelo espanhol?

Já que estamos em período de discussão pública. Aqui vai um contributo: Dois inquéritos à procura de respostas online. Valem quase tanto como os outros que se fazem para aí na área das sondagens. Pelo menos... valem mais do que aquelas consultas através de telefone fixo... quando se sabe que a maioria já usa telemóvel....!!!

Vote, comente, diga de sua justiça. Não cale o que lhe vai na alma. As suas razões são importantes!


Comentários:
As novas medidas antitabágicas são no dignas de qualquer poder ditatorial. Mais, o ditador Salazar, que por entre nós andou mais de 40 anos, não teve tanta ousadia ao proclamar as suas leis. A nova lei antitabágica não vem de forma nenhuma refrear o consumo do tabaco, não constituem nem contribuem para a melhoria da Saúde Pública, implementando, isso sim, o mercado negro do tabaco e seus afins. Por outro lado, qualquer lei deve proporcionar ao cidadão a possibilidade de a cumprir em completa liberdade e igualdade de direitos. Tanto direito tem o fumador de fumar, como aqueles que não fumem têm o direito de não fumar. É que a liberdade de uns acaba quando começa a dos outros e vice-versa.
Claro que o mal não está só no tabaco, mas sobretudo e especialmente na mortalha que envolvem os cigarros, mas aí entra-se em confronto com as celuloses e as petrolíferas, o que não convém a ninguém, muito particularmente aos governos. Impedir que se fume em recintos fechados, quer dizer sem entrada de ar fresco, é uma medida acertada, o mesmo já não sucede em cafés e restaurantes que têm janelas e ventilação natural. Por outro lado, os estabelecimentos de restauração e hoteleiros, deverão estar equipados com áreas reservadas para fumadores e não fumadores. Proibir simplesmente é um erro em todos os sentidos, primeiro porque é uma medida própria das ditaduras e segundo porque restringe a liberdade. Aproveito para dizer que as drogas devem urgentemente ser liberalizadas, que sua venda seja efectuda em farmácias, combatendo desta forma o tráfico e acabando com a hipocrisia existente. Os senhores governantes não podem aumentar ainda mais a hipocrisia existente, com essa medida antitabágica. Os senhores não fumadores também podem ficar em casa ou nos seus escritórios, isolados no meio dos seus ácaros dos ares condicionados ou, em alternativa, respirar a "plenos pulmões" o dióxido de carbono saído dos tubos de escape dos seus automóveis ou motos. Não haja mais hipocrisia e fingimentos. Não às medidas antitabágicas.
reporterx
 
Bom dia,
Da mesma forma que a lei aponta para a defesa dos fumadores passivos, deverá de criar meios para os fumadores não serem descrimados da forma tão austera. As liberdades do cidadão, são Constitucionais. A opção de fumar, é da inteira responsabilidade do fumador
A obrigação do Governo, consiste em chamar á atenção dos malefícios do tabaco de uma forma clara.
Quanto à proibição venda do tabaco, a menor de 18 anos, o Governo não pode transferir para o comerciantes o papel de fiscal, inclusivé, estabelecer coimas para quem não respeitar a lei. Esse papel cabe exclusivamente à administração pública.
Deverá de caber ao empresário a decisão da permissão de fumar no seu estabelecimento, se porventura os estabelecimentos não tiverem capacidade fisica de ter duas zonas independentes, para fumadores e não fumadores. Será curioso verificar o que se passa em Espanha, onde se verifica que os estabelecimentos que proibiram de fumar, estão " ás moscas " e aqueles que se fumam. estão cheios até à rua. Está em causa a sobrevivência do sector, que tanto conta para a economia do país.
 
Meu caro senhor:
O fumo faz mal, o das fábricas, dos automóveis, os gases também, as ventosidades cheiram mal e provocam vómitos. Só fumo charutos e,dois por dia. No entanto, para satisfazer as duas partes em confronto, no caso dos espaços fechados é criar áreas para fumadores, como de resto alguns restaurantes já possuem.
Também conviria arranjar espaços para os meninos mal educados,gritadores e muito estimados pelos pais quando "enfiam" nódoas nas roupas dos vizinhos de mesa.
O fumo mata, os digestivos matam, as gorduras também e as companhias de seguros estão alarmadas ante o aumento de esperança de vida. Elas nunca se enganam!
Veja lá: os médicos prescindem dos lavatórios e, tiram macacos do nariz sem lavarem as mãos. Uns trambolhos.
As prostitutuas deviam ter mais cuidado, por cada "encavadela", sua lavagem. Este mundo está um nojo. É verdade.
Um médico de nome Torrinha esganiçou-se no Público. O homem chama fundamentalistas aos fumadores. É assim a modos de missionário, ou te convertes a bem, ou te convertes a mal. Ele tem todo o direito a não suportar os fumadores, estes por sua vez têm todo o direito a não suportarem o Torrinha, nosso salvador.
Os das religiões também nos querem salvar. Eu talvez tenha o direito de tentar levá-los a pecar. O Mundo vai mau para os pecadores! Vai mal para mim que só cometo pecados grandes.
Os melhores cumprimentos.

Armando
Fernandes

 
"É que a liberdade de uns acaba quando começa a dos outros e vice-versa."

O problema está que não fumando, eu não violo a liberdade de ninguém. Ao passo que ao fumar, os fumadores estão a violar a liberdade de quem não fuma.

Os fumadores têm direito de fumar, desde que isso não afecte, de nenhuma maneira, os não fumadores. Que cada um fume na sua casa, ou nos seus próprios espaços, tudo bem. Em espaços de uso público, não!

"Será curioso verificar o que se passa em Espanha, onde se verifica que os estabelecimentos que proibiram de fumar, estão " ás moscas " e aqueles que se fumam. estão cheios até à rua."

Não digo que não compreendo a posição dos proprietários dos estabelecimentos. Gostava, no entanto, de fazer notar, que os estabelecimentos em que é proibido fumar, que os fumadores tanto apregoam, são em número muito reduzido, e de maneira nenhuma, satizfazem as necessidades dos não-fumadores.

Em quatro dias que passei em Espanha, encontrei um establecimento onde fosse proibido fumar, uma pastelaria. A vosso entender, eu tenho a liberdade de frequentar tal espaço, e não frequentar os outros. Mas digam-me, é suposto eu viver quatro dias e comer todas as refeições desse tempo numa pastelaria?? Tenham bom senso!
 
O problema está que não fumando, eu não violo a liberdade de ninguém. Ao passo que ao fumar, os fumadores estão a violar a liberdade de quem não fuma.

Se existirem espaços destinados a fumadores, se os estabelecimentos - em função da composição da sua clientela - puderem assumir-se como destinados a fumadores (ou a não fumadores), ninguém viola a liberdade seja de quem for. Quem cruza as portadas de um estabelecimento fá-lo de livre e espontânea vontade e já sabe ao que vai.

Que cada um fume na sua casa, ou nos seus próprios espaços, tudo bem. Em espaços de uso público, não!

Desde que o Estado se não assuma como se fosse o dono de espaços que são propriedade privada e desde que a ditadura moral dos donos das consciências se não converta em instrumento de policiamento de comportamentos que julgam desviantes. Porque carga de água é que gente que não frequenta um dado estabelecimento vai querer impor regras farisaicas a quem se encontra no interior tentando pela via administrativa determinar a ilicitude de gestos que os não afectam nem para eles têm qualquer relevância – porque neles nem participam…!!!

Será curioso verificar o que se passa em Espanha, onde se verifica que os estabelecimentos que proibiram de fumar, estão " ás moscas " e aqueles que se fumam. estão cheios até à rua."”Os estabelecimentos em que é proibido fumar (....) são em número muito reduzido, e de maneira nenhuma, satizfazem as necessidades dos não-fumadores.

Não sou daqueles que defendem como dado absoluto as Leis do Mercado. Mas entendo que um estabelecimento que paga impostos, salários, fornecedores, etc. tem de estar atento ao seu mercado e terá de fazer contas em relação à sua composição maioritária antes de definir uma opção. Se as coisas fossem como diz por certo teriam aparecido muito mais estabelecimentos onde seria proibido o tabaco.

Em quatro dias que passei em Espanha, encontrei um estabelecimento onde fosse proibido fumar, uma pastelaria. A vosso entender, eu tenho a liberdade de frequentar tal espaço, e não frequentar os outros. Mas digam-me, é suposto eu viver quatro dias e comer todas as refeições desse tempo numa pastelaria?? Tenham bom senso!

Podia ter deixado essa queixa junto das entidades responsáveis pelo sector turístico do país vizinho. Lá, ao contrario do que acontece por cá, os serviços de atendimento turístico têm uma forma eficaz de funcionamento e não fecham aos feriados. Mas parece-me demasia ousadia da sua parte querer ensinar empreendedores privados a gerirem os seus estabelecimentos. Estranho mesmo que não apareça ninguém a querer explorar o nicho de negócio que você diz existir(o dos não fumadores). Por outro lado, caso não se tenha apercebido, estava num pais estrangeiro que tem o Direito Soberano de fazer aplicar as suas Leis.
 
Deve ser proibido fumar em todos os locais de acesso público sim! É dum oportunismo abjecto e duma falaciosidade desonesta defender o contrário. Eu, quando entro num qualquer café e me cheira a tabaco, saiu imediatamente e faço questão de deixar bem claro o motivo, sobretudo nos locais que costumo frequentar e que "sabem o que perdem" a posição dos respectivos donos é, invariavelmente, a mesma: "o governo é que devia proibir e fazer cumprir a lei. Se fosse proibido em toda a parte era outra coisa. Não podemos ser nós a correr com os clientes, porque se voltam contra nós..."
Aliás, as "opiniões" dos que se opõem à lei é típica de "toxicodependentes" que não vêem nada para além da satisfação do seu vício, absurdo, que não se respeitam nem respeitam os outros, que descem ao nível dos marginais arrivistas para imporem os seus caprichos à custa da saúde dos outros.
Mas não só deveria ser proibido fumar no interior de estabelecimentos ou outras instalações, como deviam acabar com a publicidade, absurda e abusiva, criminosa, ao tabaco e a outras drogas, que se faz nos filmes, na televisão, etc. Não adianta proibir a prática do vício, se este continua a ser publicitado, a ser incutido, abertamente e subliminarmente, sendo apresentado, às pessoas, como uma coisa normal e imprescindível como forma de afirmação pessoal e social (praticado por todos os "ilustres")...
É tudo uma hipocrisia repugnante.
No entanto gostaria de lembrar, aqui, o exemplo dos transportes públicos de Lisboa onde, quando não era proibido fumar, os ânimos se exaltavam, frequentemente, entre fumadores e não fumadores. E foi ainda no "tempo da outra senhora" que a veio a proibição. É que há medidas de tal forma necessárias e convenientees que nem os ditadores se podem abster de as adoptar... Civismo e dignidade, senhores fumadores!
Além disso, nos respectivos inquéritos "on-line" tem sido bem óbvio que mais de 70% da população está a favor da proibição, incluindo muitos fumadores (mais dignos, honestos, civilizados e que se conformam com as regras democráticas)...
 
"Eu, quando entro num qualquer café e me cheira a tabaco, saiu imediatamente e faço questão de deixar bem claro o motivo,"
A graça que encontro nisto tudo é o ar de revolta ANTI_CONSUMIDOES_DE_TABACO!
Eu quando entro no autocarro e me cheira a suor , não destato a chamar badalhocos a todos!!!!
 
Diz Biranta:

É dum oportunismo abjecto e duma falaciosidade desonesta defender o contrário.

Brilhante! Qualquer inquisidor salesiano (que os Jesuítas nunca tiveram nada a ver com a Inquisição) não conseguiria ser mais claro!!!
Meu caro, quando se parte de pressupostos dogmáticos destes não há discussão possível. Estamos no reino da fé e da convicção profunda… E essas… não se discutem. Eu pelo menos não discuto, embora jamais as fizesse minhas!
È assim: Ninguém lhe pede que entre num recinto para fumadores. Pretende-se apenas que a legitimidade de construção das leis, a dignidade, a equidade e a lógica mais elementares não sejam postas em causa: se o tabaco não é ilegal, se fumar não é considerado crime nem é penalizado civil e criminalmente, porque carga de água não poderão existir espaços reservados a fumadores. Quem obriga um não fumador a entrar num restaurante onde o fumo é permitido??? Não Acha que está a assumir faculdades (poderes e prorrogativas) tão divinas como ilegítimas ao pretender (não se sabe em nome de quê ou de que faculdades especiais) determinar o que é que os outros devem fazer, o que devem pensar e como devem agir???

Está enganado, não me considero tóxico dependente, não vou ao Mac Donald’s, nem à Pizza Hut, dispenso essa coisa do Chicken mas gosto de comida portuguesa no que ela tem de díálogo de culturas e de inter-culturalidade. Por isso, como batatas, açúcar, pimenta, milho, etc. bebo vinho, chá, café, fumo charutos… (tudo produtos não oriundos deste rectângulo peninsular). E não em consta que nos restaurantes que frequento, alguém alguma vez tivesse ficado incomodado com o meu Romeu e Julieta…!!! À vezes ficam apenas invejosos…

que descem ao nível dos marginais arrivistas para imporem os seus caprichos à custa da saúde dos outros.

Não sei que lhe diga... quando se chega a estes extremos de linguagem...
Auto de Fé? Joseph McCarthy, Kristallnacht, Pogrom, Tribunal Plenário?
Se eu estiver num espaço que é indicado (assumido e identificado) como destinado a fumadores imponho o quê? a quem?

É tudo uma hipocrisia repugnante.

Não sei a que Igreja Vossa Excelência pertence. Mas… quero ver se não passo por lá. Aliás… já resolvi os meus problemas místicos (de fé e de convicção) há muitos anos…!!!
Estou farto de dogmatismos e de intolerâncias. Estou farto de donos da verdade, da moral e do resto. Percebo os interesses económicos que pretenderiam ilegalizar o tabaco e passar a ganhar tudo aquilo que apenas suspeitamos da comercialização dos prazeres clandestinos.

Não quero agredir ninguém… mas não admito que me agridam a mim.
Tenham a dignidade, a coragem e a verticalidade de aceitar a definição de estabelecimentos onde se pode fumar ou onde é vedado o fumo. Não se acobardem por detrás de um proibicionismo global, ilógico, estéril farisaico e ilegítimo.
E olhem que digo ilegítimo com toda a convicção e certeza… porque qundo existirem espaços para fumadores... ninguém é obrigado a entrar neles, ninguém é afectado por eles, sem que o faça de sua livre e expontânea vontade.

Não perceberam ainda que a ilegimitidade moral de imposição forçada de padrões de vida e de existência só dá aos reprimidos a convicção de que resistir é um acto de justiça, de sobrevivência e de afirmação pessoal?

Estou farto destas modas que os americanos nos impõem, só porque às máfias o que rende é o comércio ilegal da coca, do ópio, do ecstasy e de tudo o que venha a ser proibido.

Agora fico por aqui. Porque o que me está mesmo a apetecer é “esfaborar” mais um charuto…

Até mais logo.
 
Hoje estou totalmente de acordo com o Governo... mais vale proibir o fumo nos locais de trabalho fechados... até porque só assim cumprirão a legislação. Qualquer atenuante relativamente aos locais de trabalho resvalará para o não cumprimento da lei.

Em discotecas, bares e restaurantes, já discordo. Fará sentido ser o proprietário a decidir se o estabelecimento é, ou não uma zona livre de fumo, até porque quem não fuma poderá optar pela concorrência e os trabalhadores desses locais sabem, de ante-mão, ao que se sujeitam.
 
Num época em que se pensa e fala tornar as drogas leves livres, vemos esta aberração. Há liberdades a ter em conta, a do fumador passivo e activo, até aqui estamos todos de acordo. Mas serem tão quadrados?!!!!! É realmente a lei do mais forte pela pior via.
Para as empresas que poluem o ambiente como monóxido de carbono as leis existem no papel e a má informação aos cidadãos não aponta como maiores fornecedoras de monóxido de carbono.
O fumador que é o elo mais fraco, e em comparação uma gota no oceano, vai pagar as favas! Assim o "indicador" do governo é mono ao apontar só na direcção do fumador "criminoso".
O governo está para o fumador como o polícia esteve para o miúdo que levou pancada no Porto, se fosse um criminoso armado a polícia não teria aparecido.
Prepotências que só vingam nos elos “mais fracos”. É a tendência actual de actuação generalizado do país enfermo. Pressionados por lobbies e interesses ou, porque não, falta de outros temas para impôr poder , restam estes para usá-lo.
O poder em Portugal não é do governo. Só o têm nestas coisas pequenas só aqui podem dar largas á frustração de serem eleitos para legislar e fazer cumprir ordens que não são suas. Meras marionetas nas mãos de grandes interesses económicos, que há falta de melhor saciam a sede de poder, assim, em assuntos que possam mostrar como o têm e não é só mímica… Para já é o cigarro, Que virá a seguir?!
Um dia destes é o riso por incomodar tímpanos mais sensíveis e levar á surdez, querem apostar?!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
Rotulando estabelecimentos...
4 amigos vão sair para beber um copo a um bar, 2 são fumadores outros 2 são não fumadores, para qual se dirigem? Para não fumadores? se um fumador nem 5 min consegue estar sem fumar? Inevitavelmente será para um de fumadores, e os donos de estabelecimentos não serão parvos ao ponto de colocar o rotulo de não fumador, se sabem que terão lá as 2 fações, por isso é que a medida de deixar os estabelecimentos ao critério dos donos já em si está viciada.

O meu grande prazer é saber que finalmente não sou escravo de 20 pregos malcheirosos, pestilentos, inoportunos, consigo agora uma liberdade de movimentos, descobri inclusivé odores que já à muito não sentia, saboreio agora como nunca, respiro melhor e que viverei mais para poder abraçar os meus filhos até mais tarde, e isto sim é prazer, é liberdade!!!

Decidam o que decidirem, protejam aquilo que me custou a ganhar, e que é atropelado todos os dias, em todos os locais. O meu prazer de já não fumar!
 
Sou fumador.
Mas não gosto de incomodar os não fumadores.
Por outro lado e no meu próprio interesse acho que a lei deve ser muito restritiva. Ter dificuldade em encontrar um sítio para fumar é uma maneira de eu e os outros fumadores reduzirem o consumo.
Abraço.

PS: aproveito para te dizer que linkei a tua Abanação num local fixo do Nimbypolis.
 
Sem conhecimento do bolo no seu todo apenas deste texto:(http://lasilhouette.blogspot.com/2006/04/portugal.html)que encontrei noutro blog,venho ainda assim paticipar neste fogo sem fumo tão típico nosso português :)
Ora portanto sou fumadora.Não é nada de que me orgulhe, acho até uma grande chatice quando o cheiro do tabaco se sobrepõe ao do meu perfume.Ainda assim,sinto-me no dever de fumar o meu cigarro onde e quando me apetece.È um direito que me assiste paguei-lhe os impostos e tudo.Claro que não sinto qualquer tipo de prazer em fumegar o meu cigarro para a cara do não fumador alheio e indefeso com a mania da perceguição!!Isso nunca, e falo a sério como é obvio.Mas o que é certo é que a haver uma lei, e não me venham com a parte da proibição da compra a menores de 18 anos se a actual ainda não é cumprida, seria inteligente serem as entidades de saùde publica nomeadamente com a avaliação de técnicos sanitários a determinar áreas reservadas a fumadores e não fumadores com toda a ventilação e separação, tal como acontece em Inglaterra ou Fraça.Proibir de fumar em todo o local público é invasão de prívacidade.A acontecer, deviam também proibir quêm não toma banho pela manhã e não têm o bom senso de utilizar trasporte privado.E falo muito a sério, é tudo uma questão de mau cheiro afinal de contas. Todos sabemos os malefícios do tabaco hoje em dia (ao contrário dos que combateram no ultramar aos quais foram oferecidos maços de presente para aliviar o stress).Mas com conta peso e medida todos podemos ficar satisfeitos.O bom senso é por certo essêncial.Por mim posso apenas dizer que a ser aplicada a lei (e eu gosto mesmo de ser uma fora da lei posso mesmo ser perigosa cuidado muito cuidado :). Assim que ai chegar a primeira coisa que vou fazer é virar as costas para a sinalética e fumar o meu merecido cigarro.
Aposto que não me levam presa se calhar fumo-o todo calmamente e ninguêm dá por isso:)
 
"Claro que não sinto qualquer tipo de prazer em fumegar o meu cigarro para a cara do não fumador alheio e indefeso com a mania da perceguição!!"

Claro! um não fumador é o mau da fita, o gajo que tem a mania da perseguição... aquele que não se compreende porque é que não fuma, se é um prazer espectacular, (com este prazer todo nem sei porque é que 95% dos fumadores tem esperança em um dia deixar de fumar e 70% já tentaram deixar, masoquistas de certeza!).

Não sejamos facciosos, a maioria dos que fumam não tem prazer, ou melhor, o único prazer que têm é satisfazer uma obrigação provocada por um vício.

E eu sei do que falo, já fumei 14 anos, e sei qual é o desprazer de fumar e o prazer de não fumar!

Para os fumadores:
Quem nunca foi confrontado com reclamações da mulher ou do marido por este ou esta cheirar mal a tabaco, quem nunca se sentiu frustrado por estar a fazer algo e ter de abandonar só para ir fumar um cigarro, quem nunca se sentiu cansado por dar uma corrida de apenas 20 metros, quem nunca ficou assustado após uma dor no peito e jurarem que nunca mais fumam se no final dos exames não for nada de grave. Que grande prazer. Eu também era assim, faccioso, mas hoje compreendo que estava a enganar-me a mim próprio...

Quanto às zonas para fumadores nos restaurantes, ou estabelecimentos só para fumadores, que tal também a mesma medida para aqueles que arrotam, se "peidam" ou tiram "burriés" a mesa, os que cheiram mal, qualquer dia um restaurante teria de ter 1000mts quadrados para tantas salas diferentes, tudo isto é uma questão de boa educação, não se arrota à mesa, também não se "peida" ou se tira macacos do nariz à mesa, assim como não se fuma à mesa é difícil perceber isso???

façam favor de serem felizes...
 
Eu acho que fazem bem em proibir o tabaco em recintos fechados como locais de trabalho, lojas e restaurantes.

Ou então criarem áreas para fumadores, devidamente ventiladas, que não afectem as outras áreas (como é o normal).

São locais também frequentados por crianças que não deviam ser fumadores passivos e mesmo outras pessoas que não fumam.

Não há coisa pior que estar a comer e levar com o fumo do do lado, mas também acho que não seria necessário uma lei para ter o civismo e a boa educação de não fumar à mesa (mas pelos vistos é).

Agora bares e discotecas acho que já é de mais e duvido que consigam mudar isso mesmo que fique legislado. Já está demasiado entranhado na nossa cultura e também as pesosas normalmente estão expostas a outras drogas como o álcool, portanto, é só mas uma.

Portanto para mim, o inquérito não tem a opcção que eu acho correcta. Mas acho boa ideia fazê-lo.
 
Caro Manoel Fialho,
como é que a "administração pública" é que vai controlar a venda de tabaco a menores se os quiosques estão espalhados por todo do lado? Também é a administração pública que está à porta das discotecas a ver quem tem idade para entrar?

Não custa nada e passa a ser da responsabilidade do vendedor exigir o BI para a venda de tabaco, quem não tem BI ou idade não compra, não há nada mais simples e é uma forma fácil de impedir que miúdos tenham um acesso tão facilitado a uma droga.
 
Saudações a todos!

É muito interessante seguir as opiniões de Fumadores e Não Fumadores! Sem no entanto deixar de lembrar que segundo Larry Flint " As Opiniões são como o olho do Cu ... cada qual com a sua"
Enfim ...! No entanto e olhando só para o que interessa e sendo objectivo: o tabaco + alcatrão + nicotina, faz mal, mata, provoca doenças! Logo sendo fumar, uma actividade que apenas faz lucrar o Estado e as Tabaqueiras e que daí não resulta bem nenhum, quer individual quer social, tem que obviamente ser proibido. Proibido nos espaços sociais e comuns! Individualmente e em sua casa cada um faz o que quer. Em comunidade faz o que melhor serve a essa mesma comunidade!
Por isso o tabaco ainda é muito barato, devia ser muito mais caro ( ao nivel mesmo do Caviar Beluga), por isso deve ser proibido fumar em qualquer espaço social comum e com multas pesadissimas em quem insistir em quebrar a lei.
E para finalizar deixo apenas mais uma ideia: - Proibir de fumar é anti-democratico, é tiranico, deve-se deixar ao criterio individual a opção de Fumar ou Não Fumar! Aceito .... Então e Eu que não posso escolher entre levar com fumo de outrem ou levar com o outrem? Não é Anti Democratico????

Jose Isento da Cunha
 
Contra ou a favor, o que é certo é que o tema tem gerado debates emocionantes como este. Dos comentários que li há, no entanto, uma crítica que não posso deixar de fazer: a forma despudorada com que os apologistas do Sim à lei antitabágica julgam os fumadores. Não me parece de maneira nenhuma a forma mais correcta e digna de abordar o problema. Eu sou pelo não a esta lei. Sou por uma mudança, sim, mas com princípio, meio e fim capazes de encontrar a solução perfeita, entre gente tão discordante. Para quiser ler: www.umhomemnaochora.blogspot.com
 
Antes do mais venho agradecer a visita ao meu novo espaço.

Quero acrescentar apenas que há que debater profundamente as «restrições» - o fumador não é um criminoso; é sim, um contribuinte de luxo para o Estado.

Visitem a «gazeta».

Cumprimentos!
 
Onde há fumo há fogo...
Fumo há 23 anos e estou na minha 3ª tentativa de deixar de fumar, que parece desta vez bem sucedida.
Penso que é senso comum perceber que fumar no mínimo "faz mal"... Como diz o médico do meu Pai (Ex-fumante, que fumou 50 anos)ainda não foi descobertyo um caso no mundo que o cigarri tivesse feito bem a alguma coisa. Eu não diria tanto, pois a verdade é que tem efeito Ansiolitico e anti-depressivo...

Parece-me também claro como água, que quem tem sido prejudicado e muito, ao logo dos anos, é o grupo não-fumador. Todos nós fumantes, já prejudicámos não-fumantes a um ponto que nem sabemos. Mas é uma hipotese muito forte que tenhamos contribuido varias vezes para uma doença fatal em alguém que não escolheu fumar nem as consequências de quem fuma.
Até aqui parece claro que mais do que a "forma", interessa o conteudo. Os fumadores devem aos não-fumadores.

Ser fumador é ser viciado como qualquer vicio. Ser fumador é ser doente. O resto é resto meus amigos. Podem acreditar- os fumantes- que grande parte do vosso poder de argumentação est´~a à partida "viciado" também. O que acontece na maioria da "defesa" tabagista´são desculpas para continuar a fumar. Claro que quem ler isto vai dizer que NÃO, justamente por não ter a noção de quanto se engana a si próprio.
Quanto mais locais de proibição de fumar, mais facil é deixar de fumar. Em última análise, claro que quem quiser pode fumar. Neste caso, quem quiser, pode-se matar. Tem esse direito legal. Não pode matar ninguém! Não tem esse direito legal muito menos MORAL.
Penso que nenhum de nós pode ficar contente com a hipotese - que cada vez é maior - de termos contribuído para a morte de alguém. Não. Não é exagero. É a verdade pura e dura!

Decido quem não quero mais fumar! Tenho o direito de querer viver mais e melhor. De ter mais qualidade de vida na 2º Parte da mesma. Não quero acabar a minha vida dependendo de tudo e de todos porque a vida inteira fui dependente. Uma dependência trás sempre outras.
Acreditem que SOMOS doentes, e não quero ser. Tudo o que puder fazer para ajudar quem não quer ser, eu farei com todo o gosto. Só se ajuda quem quer ser ajudado.
Abraços a todos os que fumam e não fumam.
 
Caro Manoel das Couves. Penso que apregoar, mesmo que timidamente, a liberdade de fumar e ao mesmo tempo ter um Blog com “censura”, não é coerente.
Penso ser mais democrático publicar automaticamente os comentários. Existe a opção de gerir o Blog “pós-comentário” por um critério que a cada um caberá ter. Se bem que é sempre discutível…
Espero que os leitores do seu Blog tenham acesso a este comentário… Mas sei que para isso dependo da sua opinião. Dependo da sua censura “autocrática”. Espero que ache inofensiva esta minha opinião… Espero que aprove o meu comentário. Dependo dos seus critérios!
 
Aqui fica a minha modesta opinião! Artigo pessoal por mim publicado no meu blog.

http://alvitresequimeras.blogspot.com/2006/04/fundamentalismo-antitabgico.html
 
Eu nunca fui fumador, quer dizer, fumo dois cigarros por ano, um no Natal e outro no Ano Novo, portanto sera muito vantajosa para mim esta severa lei.
Acontece que nao estou de acordo com ela, pela simples razao de ser imposta ditatorialmente, aos governos compete zelar pelos seus cidadaos, mas todos, dando tambem a todos aqueles que querem fumar, condicoes para o fazerem. Eu pessoalmente creio que no meio e que esta a virtude, por isso vejo a legislacao espanhola muito mais sensata, eu que ate abomino a "los esponholos" ai como em outras coisas tem-nos dado licoes.

Um abraco da Beira.
 
a minha pergunta é porque é que não proibiram há mais tempo. os fumadores não têm o direito de prejudicar a saúde de quem os rodeia. querem fumar, que o façam na rua ou em suas casas.
 
Sou nao fumadora e incomoda-me o fumo mas muito mais me incomoda a falta de educação e arrogancia de muitos. Locais publicos fechados onde forçosamente temos todos que nos encontrar, acho correcta a proibição. Locais publicos onde podemos ir/estar ou não, dependendo de nossa vontade, não acho acertada a proibição. Pessoalmente escolho os locais mais "arejados": de fumos, petulâncias, arrogancias, falta de educação...
Vivo na provincia e qd vou a lx (às vezes tenho mesmo que ir, não é opção) sinto-me incomodada, e muito!, com o ar que respiro nas ruas, isso não me dá o direito de exigir que lisboetas caminhem a pé e deixem os carros nas garagens!!!
Acho que temos que saber conviver uns com os outros , não podemos esperar perfeições de lado nenhum, isso não existe. Podemos sim, é ajudar a construir um futuro melhor, e não é proibindo vizinhos do lado é ensinando os nossos filhos em nossa casa.
 
Interessante, obrigado pelo convite.
 
Era tão bom que cada um pudesse escolher o que quer. Até agora os não-fumadores (em Portugal) não têm tido escolha. É engolirem o fumo dos outros ou não irem a restaurantes. Quanto aos locais de trabalho a situação é mais séria.
Fala-se tanto em remédios para deixar de fumar (não se fala em "olha ! comecei a fumar! ai sim? que bom!)- isto quererá dizer alguma coisa. A mim até ao ar livre o fumo incomoda , mas luto contra isso com a minha maneira defensiva de respiração. Quem me dera de ter dinheiro para abrir um restaurante! Mostrava a todos os que têm estes estabelecimentos que estão altamente errados se proibirem fumar. Até lá só posso dar a minha ajuda nesta divulgação: http://no-smokezone.planetaclix.pt
 
Já vi para aqui tanto comentário de não-fumadores idiotas e fundamentalistas, que só me ocorre dizer duas coisas:

1 - As estradas também são espaços públicos. Poluídos pelos carros. Eu não tenho carro. Então, pela perspectiva dos fundamentalistas antitabagismo, eu também teria todo o direito em exigir que esses fundamentalistas (quase todos eles orgulhosos proprietários de um, dois ou até três carros) deixassem os seus carros na garagem para não andarem a poluir o meu ar. Se eu sobrevivi tantos anos sem carro, eles também sobreviveriam. Se eu sobrevivi tantos anos sem carro, tenho o direito de afirmar que o carro deles (que polui o meu ar) é um vício ao nível da toxicodependência (como um deles por aqui já disse). Não sejam, pois, hipócritas, e andem mais a pé. E já agora, quando forem a restaurantes, falem baixinho e não levem os vossos filhos, que o barulho deles também me incomoda. Ou só gostam de medidas radicais quando elas vos favorecem e quando vos prejudicam já não fazem sentido?

2 - Perante tanta idiotice, estou a ficar farto de pseudodemocracias, em que cada vez se inventam mais proibições para o pacato cidadão que só quer que não o chateiem, enquanto que aos interesses dos grandes capitalistas, por muito mal que nos façam, ninguém se opõe. Resta-me, pois, dizer apenas: volta, Salazar, que ao pé desta gente o maior democrata ainda és tu!
 
Que existam lugares de fumadores e não fumadores, tudo bem. Discotecas ou bares sem se poder fumar não tem lógica nenhuma, quanto a mim, pois ao beber um copo, quem fuma, fuma, a menos que passe a ir para a rua com o copo na mão e o cigarro na outra!! Medidas drásticas a favor ou contra o tabaco digamos que não agradam a gregos e troianos. Já fui fumadora, não fumadora e fumadora...Não sejamos extremistas nem para um lado nem para o outro. Que o tabaco faz mal todos sabemos, por isso, locais para se fumar e locais para não se fumar, ok. Não sei se me fiz entender. Deveria dar-se a decisão a cada proprietário do seu estabelecimento, se não, vai haver muita falência!!
 
Boa tarde,
interesante esta iniciativa de activar a participação civíca.
Como fumador penso que há que proteger os direitos dos não fumadores...mas daí a perseguir os fumadores vai uma garnde distância.
Parce-me absurda não dar aos proprietários de restaurante, bares, discotecas, barbearis, etc a possibilidade de escolherem.
Num post de 9 de Junho do meu blog já me refiro ao assunto e gostaria de saber se me pode manter informado de como a acção civíca pode ainda alterar a lei
Melhores cumprimentos,
 
Argumentar que é a mesma coisa ter a necessidade de andar de carro com um vício de fumar não me parece muito lógico mas sim facciosismo, se eu me pudesse deslocar em transportes públicos para o meu trabalho, faria-o com todo o prazer, acontece que muitos não o podem fazer, pelas mais variadas razões (excluo aqui aqueles que não andam de transportes públicos só porque sim).
Eu deixei de fumar e não me transtornou a vida agora se eu vendesse o carro e andasse a pé possívelmete demoraria cerca de 8 horas no trajecto casa-trabalho-casa, não me parece que seja a mesma coisa.
Além disso quantos fumadores dizem não ter carro? Além daqueles que ainda não tem idade para conduzir? Mais tretas de facciosos vão perdendo argumentos válidos.
 
Antes de mais, quero agradecer-lhe o comentário que deixou expresso em Manuel Bancaleiro – Algumas Verdades sobre uma matéria tão sensível e que volta a estar na ordem do dia – O Aborto . Temos que saber separar as águas, porque num País como o nosso, que viveu demasiado tempo no obscurantismo, alguns comportamentos ou conceitos de vida não são ainda suficientemente toleráveis para se poder avançar para uma abertura total e, tentar pôr tudo no mesmo saco é um erro que poderá pôr tudo a perder. Um passo de cada vez amigo.
Agora vamos lá comentar a Lei do tabagismo.
Sou um fumador moderado. Compreendo que algumas regras teriam que ser alteradas, contudo nós fumadores que pomos milhões e milhões de euros nos cofres do Estado, não podemos ser tratados como uns desordeiros que põem a saúde pública em perigo. Tenho todo o respeito do mundo por quem não fuma mas todavia, esse respeito terá que ser recíproco . Quanto ao problema do tabagismo e os seus malefício, as tabaqueiras, bem como o poder politico instituído não estão inocentes, muito antes pelo contrário são os verdadeiros responsáveis por todas as mortes e doenças derivadas do consumo do tabaco, basta só ver os químicos que lhe são adicionados de forma propositada para que possa causar dependência . Quem são os criminosos?? Quem se está a encher com milhões e milhões de euros todos os anos??
Manuel Bancaleiro – Algumas Verdades
 
O tabaco, além das conhecidas consequências na saúde, é um produto com aspeto físico (fumo) e odor (cheiro).
É importante não esquecer (quem foi educado convenientemente) que tem que haver respeito pelo próximo, ou seja, tudo o que fazemos e dizemos tem de ter como 1ª regra, respeitar/não incomodar terceiros. O tabaco, além de indiscutívelmente nocivo para a saúde, incomoda passoas pelo fumo e cheiro, por isso, tal como existem proibições no código da estrada, também há (e já deveria haver há muitos anos) proibições no "código comportamental", ou seja o que fazer e o que não fazer na proximidade de outra(s) pessoa(s). É óbvio e lógico e quem discorda está errado. O que se deve fazer, como em toda e qualquer situação, é todas as partes envolvidas devem discutir para se chegar a uma conclusão com entendimento. Trata-se pois de uma questão do mais básico respeito pelo próximo.
 
Sinceramente e apesar de ser não fumador, acho que devia ser da opção dos espaços comerciais privados a opção por áreas de fumadores ou não fumadores. O voto económico é que faria a escolha. Se não gosto do fumo não vou lá e vice-versa para todas as possibilidades.

Aproveito também para dizer que vim a este blog por causa de um mail que recebi sobre a Opel. Se o suposto mail é realmente deste blog, aproveito para dizer que, apesar de o compreender, considero-o bastante triste. São opiniões.

Um abraço
nadamaisclaro.blogspot.com
 
Enviar um comentário

Linque esta mensagem:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?